Fazendo amigos para Deus - Lição 4

Link curto: https://bit.ly/30LHBfS

Você é o visitante de número 22 deste anúncio.

Para Ipiranga Central (Escola Sabatina), em 25/07/2020.

Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: O poder da oração intercessória. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem!

Sábado, 18 de julho - O poder da oração intercessória

"Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo." Tiago 5:16

Os membros da igreja do Novo Testamento sentiam a necessidade de orar. “Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a Palavra de Deus” (At 4:31). Observe que os discípulos oraram. Eles ficaram cheios do Espírito Santo e depois anunciaram a Palavra de Deus com intrepidez e confiança.

Domingo, 19 de julho - Uma luta cósmica

"Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes." Efésios 6:12

Considere esta declaração com atenção: “Faz parte do plano de Deus nos conceder, em resposta à oração da fé, o que Ele não daria se não pedíssemos assim” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 525). Na guerra entre o bem e o mal, a oração faz a diferença. Quando oramos por alguém que não conhece a Cristo, a oração abre canais de bênção divina para fluir na vida dessas pessoas. Deus honra nossa escolha de orar por elas e atua ainda mais poderosamente em favor delas.

Segunda, 20 de julho - Jesus: o poderoso Intercessor

"Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como trigo! Eu, porém, roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; tu, pois, quando te converteres, fortalece os teus irmãos. Ele, porém, respondeu: Senhor, estou pronto a ir contigo, tanto para a prisão como para a morte. Mas Jesus lhe disse: Afirmo-te, Pedro, que, hoje, três vezes negarás que me conheces, antes que o galo cante." Lucas 22:31-34

Satanás conhecia o potencial de Pedro para o avanço do reino de Deus. Planejava fazer todo o possível para destruir a influência positiva desse discípulo de Jesus na igreja cristã. Mas em todas as suas tentações, Jesus estava orando por Pedro, e as orações do Mestre foram respondidas. Que realidade emocionante reconhecer que o Salvador também ora por nós. Ele nos convida a nos juntar a Ele nessa obra de oração intercessória e apresentar outros nominalmente diante de Seu trono.

Terça, 21 de julho - As orações intercessórias de Paulo

"Dou graças ao meu Deus por tudo que recordo de vós, fazendo sempre, com alegria, súplicas por todos vós, em todas as minhas orações, pela vossa cooperação no evangelho, desde o primeiro dia até agora. Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus." Filipenses 1:3-6

A oração de Paulo pelos cristãos efésios é notável. Ele orou para que Deus lhes desse sabedoria e discernimento espiritual, que iluminasse a mente deles com a verdade e lhes desse a esperança da vida eterna. Ele também orou para que experimentassem a poderosa atuação do poder de Deus. O Senhor é tão poderoso, tão forte, que ressuscitou Jesus dentre os mortos, um evento que estabeleceu o fundamento de sua esperança de vida eterna Nele.

Quarta, 22 de julho - Poderes invisíveis em atuação

"Então, me disse: Não temas, Daniel, porque, desde o primeiro dia em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas palavras; e, por causa das tuas palavras, é que eu vim. Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; porém Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu obtive vitória sobre os reis da Pérsia." Daniel 10:12-13

Se o príncipe da Pérsia representa Satanás, quem é Miguel? O termo Miguel é usado cinco vezes na Bíblia (Ap 12:7; Jd 9; Dn 10:13, 21; 12:1). Um estudo dessas passagens revela que Miguel (que significa “Quem é como Deus”) é outro termo para descrever Jesus como o Comandante de todos os anjos em combate direto contra Satanás. Embora às vezes não vejamos, Cristo atua para responder também às nossas orações de intercessão. Ele é um Salvador poderoso. Nenhuma de nossas orações passa despercebida.

Quinta, 23 de julho - O foco da oração

"Pois o SENHOR, por causa do seu grande nome, não desamparará o seu povo, porque aprouve ao SENHOR fazer-vos o seu povo. Quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o SENHOR, deixando de orar por vós; antes, vos ensinarei o caminho bom e direito. Tão-somente, pois, temei ao SENHOR e servi-o fielmente de todo o vosso coração; pois vede quão grandiosas coisas vos fez." 1 Samuel 12:22-24

Tanto Samuel quanto Jó enfatizaram a necessidade de intercessão fervorosa, sincera e específica. As palavras de Samuel são bastante fortes: “Quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o Senhor, deixando de orar por vós” (1Sm 12:23). Quase ouvimos o eco da oração de Samuel nas palavras de Jó: “Se alguém pudesse contender com Deus pelo homem, como o filho do homem pelo seu amigo!” (Jó 16:21, ARC). Suplicar a Deus por homens e mulheres que não conhecem a Cristo é a nossa obra.

Sexta, 24 de julho - Estudo adicional

“Anjos ministradores aguardam ao pé do trono para obedecer instantaneamente ao mando de Jesus Cristo no responder a toda oração feita em sinceridade, com fé viva” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 377)

“A oração da fé nunca se perde; mas dizer que será sempre atendida do modo exato e de acordo com aquilo que esperamos especificamente é presunção” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 231). Que incentivo isso nos dá ao interceder pelo nosso cônjuge que não conhece a Cristo ou por nossos filhos e filhas, parentes, amigos e colegas de trabalho! Nenhuma oração sincera é perdida. Nem sempre vemos respostas nas pessoas pelas quais oramos, mas Deus move o coração delas de maneiras que saberemos somente na eternidade.

Anúncios relacionados:

Fazendo amigos para Deus - Lição 13
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Um passo de fé. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 19 de setembro - Um passo de fé “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana.” Filipenses 2:5-7 Abandonar as glórias do Céu, a adoração dos anjos e a comunhão do Pai foi um sacrifício inimaginável. No entanto, Jesus veio a este mundo de sofrimento e morte para revelar o caráter de amor do Pai, reconquistar o afeto do ser humano e resgatar toda a humanidade. Embora nosso sacrifício não se compare ao Dele, ganhar pessoas também é um salto de fé. Saímos da zona de conforto e seguimos para o desconhecido. O Senhor nos chama a fazer sacrifícios, mas as alegrias que Ele oferece são muito maiores. Domingo, 20 de setembro - O amor abnegado de Jesus “A si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome.” Filipenses 2:8-9 Jesus, que era igual a Deus desde a eternidade, “aniquilou-Se” (Fp 2:7, ARC). Essa também é uma expressão grega extraordinária. Ela pode ser literalmente traduzida como “Se esvaziou” (ARA). Como servo, Ele revelou a lei celestial do amor para o Universo e, por fim, realizou o supremo ato de amor na cruz, dando a vida para nos salvar. Permitir que Cristo, por meio de Seu Espírito Santo, esvazie-nos de ambições egoístas, nos custará algo. Custou tudo a Jesus. Mas as Escrituras declaram acerca de Cristo: “Por isso também Deus O exaltou sobremaneira e Lhe deu o nome que está acima de todo nome” (Fp 2:9). Segunda, 21 de setembro - O chamado ao compromisso “Caminhando junto ao mar da Galiléia, viu dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores. E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. Então, eles deixaram imediatamente as redes e o seguiram.” Mateus 4:18-20 Imagine que você é Pedro ou João. O Sol acaba de nascer na Galiléia, afugentando o frio da noite. Você só pensa em uma coisa: pescar muitos peixes! Eles deixaram seus barcos, ocupação e ambiente familiar para seguir a Jesus porque sentiram o chamado para um propósito mais elevado. Aqueles pescadores comuns reconheceram que tinham sido chamados para uma missão extraordinária. Pode ser que Deus não o esteja convidando para deixar sua profissão, mas Ele está chamando você para um propósito maravilhoso, isto é, compartilhar Seu amor e testemunhar de Sua verdade para glória de Seu nome. Terça, 22 de setembro - Paulo: o instrumento escolhido por Deus “Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel; pois eu lhe mostrarei quanto lhe importa sofrer pelo meu nome.” Atos 9:15-16 Quando Paulo aceitou a Cristo, sua vida mudou radicalmente. Cristo lhe deu um novo futuro, o tirou da sua zona de conforto e o levou a experiências que ele jamais tinha imaginado. Jesus escolhe candidatos improváveis para testemunhar de Seu nome. Pense nos endemoninhados, a mulher samaritana, a prostituta, o coletor de impostos, os pescadores e, agora, o feroz perseguidor. Eles foram transformados e depois enviados com alegria para contar a história do que Cristo tinha feito em sua vida. A história desse ex-perseguidor dos fiéis que se tornou o defensor mais influente e importante da fé cristã é um poderoso testemunho do que Deus faz por alguém que dedica a vida à Sua obra. Quarta, 23 de setembro - As exigências do amor “Pela terceira vez Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Jesus lhe disse: Apascenta as minhas ovelhas.” João 21:17 Numa reunião matinal com os discípulos às margens do mar da Galiléia, Jesus destacou de maneira brilhante as exigências do amor divino. Considerando a atitude vergonhosa de Pedro quando Cristo havia sido preso e que Pedro não apenas negara conhecer Jesus, mas tinha proferido maldições, cumprindo a predição de Cristo, o Mestre exigiu uma resposta ao amor e encorajou Pedro ao dizer que ainda tinha uma obra para ele fazer. A boa notícia é que a graça ainda está disponível, e o Senhor ainda não terminou Sua obra em cada um de nós. Se estivermos dispostos, sempre haverá lugar para trabalhar em Sua obra. Quinta, 24 de setembro - O compromisso do amor “Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres. Disse isto para significar com que gênero de morte Pedro havia de glorificar a Deus. Depois de assim falar, acrescentou-lhe: Segue-me.” João 21:18-19 Na eternidade, nada do que fazemos parecerá um sacrifício. O investimento de tempo e esforço será recompensado. Que alegria é transformar o amor em ação! Quando respondemos ao amor divino, dando tudo de nós no serviço a fim de testemunhar como embaixadores de Cristo, cumprimos o propósito da nossa vida e experimentamos a maior alegria. Jesus disse: “Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes” (Jo 13:17). A maior e mais duradoura felicidade é cumprir o propósito da existência ao glorificar a Deus pela maneira como vivemos e compartilhamos Seu amor e Sua verdade. Sexta, 25 de setembro - Estudo adicional “A salvação de pecadores requer esforço intenso e pessoal. Temos de levar-lhes a palavra de vida, não esperando que eles venham a nós. Oh, pudesse eu falar palavras capazes de despertar homens e mulheres para a ação diligente! Achamo-nos no limiar do mundo eterno. Não temos tempo a perder. Cada momento é excessivamente precioso para ser devotado à satisfação própria. Quem buscará a Deus sinceramente, Dele obtendo força e graça para se conduzir como Seu fiel obreiro no campo missionário?” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 116, 117) Qual é a essência da citação acima? Ela impacta seu testemunho pessoal? Como o amor verdadeiro se manifesta? Quais são as falsas formas de amor? O que você aprende com as histórias de martírio? Você já se sacrificou por Cristo? Valeu a pena? Como explicar isso a um não cristão?
Fazendo amigos para Deus - Lição 12
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Mensagem que vale a pena compartilhar. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 12 de setembro - Mensagem que vale a pena compartilhar “Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apocalipse 14:6-7 A morte expiatória de Cristo foi universal; isto é, foi oferecida a todas as pessoas que já viveram, independentemente da época ou do lugar. A essência do evangelho é Jesus. Ele morreu por nós e agora vive por nós. Ele veio uma vez para nos libertar da punição e do poder do pecado e voltará para nos libertar da presença do pecado. Cristo sofreu a morte que merecemos, para que pudéssemos ter a vida que Ele merece. Em Cristo somos justificados, santificados e, um dia, seremos glorificados. O último livro da Bíblia, Apocalipse, foi escrito especialmente para preparar o mundo para o retorno de Jesus. É uma mensagem urgente para esta geração. Domingo, 13 de setembro - A mensagem da verdade presente de Pedro “Por esta razão, sempre estarei pronto para trazer-vos lembrados acerca destas coisas, embora estejais certos da verdade já presente convosco e nela confirmados.” 2 Pedro 1:12 A mensagem de eterna importância para o primeiro século era a de que Cristo tinha vindo. O amor do Pai foi revelado mediante o sacrifício de Jesus na cruz. Embora o “salário do pecado” seja “a morte”, por meio do Salvador, a vida eterna foi garantida a todos. É nossa escolha a recebermos, pela fé (Rm 3:23; 6:23, Ef 2:8). A mensagem de salvação em Jesus nunca estará desatualizada. É a verdade presente para todas as gerações. A essência do Apocalipse é Jesus e Sua mensagem do tempo do fim, a fim de preparar Seu povo para o Seu retorno. Segunda, 14 de setembro - O foco do Apocalipse no tempo do fim “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Certamente. Amém!” Apocalipse 1:7 Do primeiro ao último capítulo do Apocalipse, o clímax de cada profecia é a vinda de Jesus. O “Cordeiro que foi morto” (Ap 5:12) virá outra vez como Rei dos reis e Senhor dos senhores (Ap 19:16). Ele derrotará todos os inimigos que oprimem e perseguem Seu povo (Ap 17:14). Ele livrará Seu povo do pesadelo do pecado e os levará ao lar de glória. O grande conflito entre o bem e o mal terminará. A Terra será renovada, e os remidos viverão para sempre com seu Senhor (Ap 21:1-4). Nosso Senhor chama todos os que buscam a vida eterna a vir a Ele. Então, o Salvador convida os que aceitaram a mensagem da salvação e aguardam ansiosamente Seu retorno a se juntar a Ele, convidando outros a aceitar o Seu amor.   Terça, 15 de setembro - A mensagem do Apocalipse para o tempo do fim “E aquele que estava sentado sobre a nuvem passou a sua foice sobre a terra, e a terra foi ceifada. Então, o anjo passou a sua foice na terra, e vindimou a videira da terra, e lançou-a no grande lagar da cólera de Deus.” Apocalipse 14:16,19 A ceifa é usada na Bíblia para simbolizar o retorno de Cristo (Mt 13:37-43; Mc 4:29). Em Apocalipse 14, a ceifa de grãos maduros representa a redenção dos justos, e a colheita de uvas maduras representa a destruição dos ímpios. Apocalipse 14:6-12 contém uma mensagem urgente para os últimos dias, que prepara as pessoas para a ceifa da Terra. A primeira mensagem angélica em Apocalipse 14 apela à geração do século 21 que anseia por um propósito na vida. Ela apresenta o evangelho da graça de Deus que concede perdão a todos. Ela nos limpa da culpa do pecado e nos dá poder para ser vencedores. Quarta, 16 de setembro - Compreensão mais plena da verdade “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem. Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más.” Eclesiastes 12:13-14 “Temer a Deus” tem a ver com o que pensamos. É um apelo a viver para agradar ao Senhor e colocá-Lo em primeiro lugar em todos os nossos pensamentos. É uma atitude de obediência que nos leva a viver piedosamente (Pv 3:7; At 9:31; 1Pe 2:17). Essa mensagem também nos convida a “dar glória” a Deus, o que se relaciona com o que fazemos em todos os aspectos da nossa vida. Existe uma relação entre a atitude de reverência a Deus, a obediência a Ele e o juízo. A obediência é fruto do relacionamento salvífico com Jesus. Somente Sua justiça é boa o suficiente para julgar e, em Sua justiça, estamos seguros. Por meio dela, vivemos para glorificar Seu nome em tudo o que fazemos. Quinta, 17 de setembro - O apelo final de Deus “Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição. Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos.” Apocalipse 14:8;18:4 No Apocalipse, o termo “Babilônia” representa um falso sistema religioso fundamentado em obras humanas, tradições de homens e falsas doutrinas. Esse termo exalta o ser humano e sua justiça própria acima de Jesus e de Sua vida sem pecado. Coloca os mandamentos de mestres religiosos acima dos mandamentos de Deus. Apocalipse 14 descreve dois atos diferentes de adoração – a adoração ao Criador e a adoração à besta. Esses dois atos de adoração se concentram no dia de adoração de Deus, o verdadeiro sábado, e um sábado substituto ou falso. Sexta, 18 de setembro - Estudo adicional “Deus está chamando Sua igreja hoje, como chamou o antigo Israel, a fim de erguer-se como luz na Terra. Pela poderosa espada da verdade, as mensagens do primeiro, segundo e terceiro anjos, separou-a das igrejas e do mundo para trazê-la a uma santa proximidade Dele. Fez dela depositária de Sua Lei, e lhe confiou as grandes verdades da profecia para este tempo. Como as Santas Escrituras confiadas ao antigo Israel, estas são um sagrado depósito a ser comunicado ao mundo.” (Ellen G. White, CI, p. 58) Pense no sábado, um santuário no tempo. Ao contrário de uma montanha ou cidade sagrada, não precisamos ir até ele para adorar. Toda semana, a cerca de mil e seiscentos quilômetros por hora (pelo menos perto do Equador), o sábado vem a nós. Como isso nos ajuda a entender a importância do dia e seu significado? Como explicar a queda de Babilônia ou a marca da besta de maneira mais cativante? É possível apresentar essas verdades de um modo menos ofensivo, ainda que, apesar de nossos melhores esforços, algumas pessoas se ofendam?
Fazendo amigos para Deus - Lição 11
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Compartilhando a história de Jesus. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 5 de setembro - Compartilhando a história de Jesus “Estas coisas vos escrevi, a fim de saberdes que tendes a vida eterna, a vós outros que credes em o nome do Filho de Deus.” 1 João 5:13 Se nosso testemunho consiste apenas em tentar provar que o que cremos está certo e o que os outros creem está errado, encontraremos forte oposição. Porém, se nosso testemunho sobre Jesus vier de um coração transformado por Sua graça, cativado por Seu amor e maravilhado com Sua verdade, outros ficarão impressionados com a maneira pela qual a verdade em que cremos tem impactado nossa vida. Quando Cristo é o centro de toda doutrina e cada ensinamento bíblico reflete Seu caráter, aqueles com quem compartilhamos as Escrituras têm muito mais probabilidade de aceitar Sua palavra. Domingo, 6 de setembro - Jesus: o fundamento de nosso testemunho “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” Efésios 2:8-10 Antes de conhecermos a Cristo, estávamos “mortos em [nossos] delitos e pecados”, andando “segundo o curso deste mundo”, “fazendo a vontade da carne”; “e éramos, por natureza, filhos da ira”. Simplificando, antes de conhecer a Cristo, vagávamos sem rumo pela vida em uma condição perdida. Agora, Nele, estamos verdadeiramente “vivos”. Mediante “a suprema riqueza da Sua graça” e Sua rica misericórdia para conosco, recebemos o dom da salvação. Ele nos ressuscitou para nos fazer “assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da Sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus”. Segunda, 7 de setembro - Transformados pelo amor de Cristo “O uso da força é contrário aos princípios do governo de Deus. Ele deseja apenas o serviço de amor. E o amor não pode ser imposto, não pode ser conquistado pela força ou autoridade. Só o amor desperta amor” (O Desejado de Todas as Nações, p. 22) João e Tiago, filhos de Zebedeu, eram conhecidos como os “Filhos do Trovão” (Mc 3:17). Na verdade, Jesus lhes deu esse apelido. Na presença do amor de Jesus, a impetuosidade e a ira de João foram transformadas em bondade amorosa e espírito gentil e compassivo. Na primeira epístola de João, a palavra “amor” aparece quase 40 vezes; e em suas várias formas, aparece 50 vezes. Quando estamos comprometidos com Cristo, Seu amor brilhará de nós para os outros. O maior testemunho do cristianismo é uma vida transformada. Isso não significa que jamais cometeremos erros nem que seremos, em todos os momentos, os condutos de amor e graça que devemos ser. Mas significa que, nas condições ideais, o amor de Cristo fluirá de nossa vida e seremos uma bênção às pessoas ao nosso redor. Terça, 8 de setembro - Contando a história de Jesus “Jesus, porém, não lho permitiu, mas ordenou-lhe: Vai para tua casa, para os teus. Anuncia-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti. Então, ele foi e começou a proclamar em Decápolis tudo o que Jesus lhe fizera; e todos se admiravam.” Marcos 5:19-20 Quais foram os primeiros missionários enviados por Jesus? Não foram os discípulos nem os seguidores de longa data, mas homens loucos e endemoninhados, que haviam aterrorizado os habitantes de uma região campestre e infligido medo no coração dos vizinhos. Porém, eles se encontraram com Jesus e foram transformados. Os demônios foram expulsos e lançados nos porcos, que se precipitaram no mar (Mt 8:32-34; Mc 5:13, 14). O testemunho deles preparou Decápolis, dez cidades às margens do mar da Galileia, para receber os ensinamentos de Jesus. Esse é o poder do testemunho pessoal. Quarta, 9 de setembro - Testemunhando com segurança “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está no seu Filho. Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi, a fim de saberdes que tendes a vida eterna, a vós outros que credes em o nome do Filho de Deus.” 1 João 5:11-13 Nosso Senhor deseja que cada um de nós se alegre na salvação que Ele oferece tão generosamente. Ele quer que experimentemos o que significa ser justificado por Sua graça e estar livre da condenação que a culpa do pecado traz. Se, pela fé, aceitamos Jesus e Ele vive em nosso coração por meio de Seu Espírito Santo, o dom da vida eterna é nosso hoje. Isso não quer dizer que, uma vez que experimentamos a graça de Deus e a salvação em Cristo, seria impossível perdê-la (2Pe 2:18-22; Hb 3:6; Ap 3:5). Sempre temos a livre escolha de nos afastar Dele, mas, uma vez que experimentamos Seu amor e entendemos a profundidade de Seu sacrifício, nunca devemos optar por nos afastar Daquele que nos ama tanto. Quinta, 10 de setembro - Vale a pena testemunhar sobre Cristo! “Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; quem perder a vida por minha causa, esse a salvará.” Lucas 9:23-24 Há sacrifícios quando aceitamos a Cristo. Há coisas que Ele nos pede que abandonemos. Jesus deixou claro o compromisso que seria necessário para segui-Lo: “Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-Me” (Lc 9:23). A morte de cruz é dolorosa. Quando rendemos a vida às reivindicações de Cristo e o “velho homem” do pecado é crucificado (Rm 6:6), dói. Às vezes, é doloroso desistir de desejos acariciados e hábitos duradouros, mas as recompensas superam em muito a dor. Sexta, 11 de setembro - Estudo adicional “Cada indivíduo tem uma vida diferente da de todos os outros, uma experiência que difere essencialmente das demais. Deus deseja que nosso louvor suba a Ele com a marca da nossa própria individualidade. Esses preciosos reconhecimentos para louvor de Sua gloriosa graça, quando confirmados por uma vida semelhante à de Cristo, possuem irresistível poder, eficaz para a salvação de pessoas” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 347) Por que o testemunho do que Cristo fez por nós é tão poderoso? No entanto, como você responderia à pergunta: “Tudo bem, isso aconteceu com você, mas se eu não tiver esse tipo de experiência, que razão eu terei para seguir Jesus?” O que você gostaria de evitar ao dar seu testemunho a um não cristão? Por que a certeza da salvação é importante na experiência cristã? Como ter segurança da salvação e, ao mesmo tempo, não ser presunçoso?
Fazendo amigos para Deus - Lição 10
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Um modo emocionante de se envolver. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 29 de agosto - Um modo emocionante de se envolver "E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara." Mateus 9:37-38 Dizem que “a união faz a força”. Em certo sentido, isso é verdade. Você já reparou que nos motivamos muito mais a fazer exercício físico se estivermos com um grupo de pessoas do que se tivermos que nos exercitar sozinhos todos os dias? De maneira semelhante, Deus nos criou para a comunhão. Em toda a Bíblia, a comunidade e os pequenos grupos são destacados como um dos métodos de Deus para fortalecer nossa fé, aumentar nosso conhecimento de Sua palavra, aprofundar nossa vida de oração e nos habilitar a testemunhar. Domingo, 30 de agosto - Pequenos grupos: uma ideia divina "No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra." Gênesis 1:1,2,26 O Pai, o Filho e o Espírito Santo participaram da criação. Cada um Deles teve tarefas diferentes, mas trabalharam em uma união indivisível. O Pai foi o Mestre Planejador, o Arquiteto. Ele executou Seus planos por meio de Jesus, o Agente da criação em harmonia com o Espírito Santo. Os pequenos grupos foram uma ideia divina. Eles participaram da criação da humanidade e de sua redenção após a queda. Conforme estudaremos na lição desta semana, os pequenos grupos podem ter vários propósitos, mas seu objetivo principal é ganhar para Jesus pessoas perdidas. Segunda, 31 de agosto - Os pequenos grupos nas Escrituras "Procura dentre o povo homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; põe-nos sobre eles por chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta e chefes de dez; Escolheu Moisés homens capazes, de todo o Israel, e os constituiu por cabeças sobre o povo: chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta e chefes de dez." Êxodo 18:21,25 A Bíblia apresenta exemplos de organização comparáveis aos pequenos grupos modernos quanto à oração, comunhão, encorajamento e trabalho integrado. Os pequenos grupos oferecem oportunidades de comunhão acolhedora e atenciosa, de crescimento espiritual e de resolução de problemas. O propósito de Jesus em chamar os discípulos era prepará-los tanto espiritualmente quanto de maneira prática para a missão. O objetivo de Jesus era alimentar espiritualmente as pessoas e evangelizá-las. Terça, 1º de setembro - Organizados para servir "Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo. Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito. Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos." 1 Coríntios 12:12-14 Paulo não apenas revelou a importância dos dons espirituais, mas sugeriu como podem ser organizados. Ele discutiu os dons espirituais no funcionamento do corpo de Cristo. Nosso corpo não é apenas um conjunto de órgãos separados que trabalham de modo independente. Cada função corporal é ­organizada em um sistema integrado que trabalha para um objetivo comum. É fácil desanimar ao trabalhar sozinhos, mas quando fazemos parte de um pequeno grupo, com pessoas de interesses e objetivos semelhantes, descobrimos que nossos esforços podem ter um foco muito maior e ser grandemente ampliados. Deus usa os pequenos grupos para habilitar os membros da igreja a crescer espiritualmente, a experimentar comunhão acolhedora e a utilizar seus dons no serviço. Quarta, 2 de setembro - Os pequenos grupos do Novo Testamento "Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas. Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos." Atos 2:41,46,47 A igreja do Novo Testamento cresceu exponencialmente. Em poucos anos, ela passou de um pequeno grupo de fiéis para dezenas de milhares de fiéis. Um dos fatores que contribuíram para o crescimento da igreja do Novo Testamento foi sua estrutura organizacional de pequenos grupos. Em Atos é mencionado o nome de pessoas com quem Paulo trabalhou. Para ele, cada uma delas era importante. Aquelas pessoas tinham diferentes dons. Sua diversidade de dons, origens e experiências contribuiu para o crescimento da igreja. Cada uma delas contribuía para a missão de Cristo a partir da riqueza de seu conhecimento pessoal de Jesus. Quinta, 3 de setembro - A dinâmica dos pequenos grupos "Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus." Atos 4:31 Os pequenos grupos são instrumentos de Deus para o crescimento da igreja e o desenvolvimento espiritual por meio de relacionamentos fraternais. Os primeiros cristãos se reuniam para interceder pelos outros, orar por suas preocupações, ter comunhão acolhedora, estudar a Palavra de Deus, preparar-se para o serviço, ajudar a proteger uns aos outros contra falsos mestres e participar juntos de atividades evangelísticas. Os pequenos grupos são uma resposta à oração de Cristo e aumentam exponencialmente o número de trabalhadores em Sua seara. O ministério de pequenos grupos logo desaparecerá se seu foco for interno e não externo. Talvez Deus esteja chamando você para iniciar um pequeno grupo em sua casa. Por que não começar a orar sobre isso? Tenha uma experiência espiritualmente gratificante. Sexta, 4 de setembro - Estudo adicional “Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não permanecer na videira, assim, nem vós o podeis dar, se não permanecerdes em mim.” João 15:4 Há muitos anos, uma pequena igreja europeia definiu que precisava fazer algo significativo para o Senhor, pois estava estagnada e ninguém era batizado havia muito tempo. Ao estudar o Novo Testamento, eles decidiram estabelecer um ministério de pequenos grupos. Decidiram fazer de seus lares centros evangelísticos. Os líderes dos pequenos grupos começaram os estudos bíblicos em nove casas, com quarenta convidados presentes. Eles ficaram impressionados com o que o Espírito Santo fez. Por fim, dezessete pessoas foram batizadas.
Fazendo amigos para Deus - Lição 9
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Desenvolvendo uma atitude conquistadora. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 22 de agosto - Desenvolvendo uma atitude conquistadora “Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, fazendo-o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência, de modo que, naquilo em que falam contra vós outros, fiquem envergonhados os que difamam o vosso bom procedimento em Cristo.” 1 Pedro 3:15-16 Jesus nunca exibiu um traço de orgulho e arrogância. Ele via em todo ser humano alguém criado à imagem de Deus, embora caído pelo pecado, e a quem Ele tinha vindo salvar. Ninguém estava além do Seu amor. Ninguém havia ido tão longe que Sua graça não pudesse alcançar. Cristo demonstrou respeito a todos com quem entrou em contato e os tratou com dignidade. Ele influenciou pessoas para o reino porque cria nelas. Vidas foram transformadas em Sua presença porque Ele Se importava com as pessoas. Elas se ergueram a fim de se tornar o que Ele acreditava que elas poderiam ser. Domingo, 23 de agosto - Receptividade ao evangelho “Muitos samaritanos daquela cidade creram nele, em virtude do testemunho da mulher, que anunciara: Ele me disse tudo quanto tenho feito. e diziam à mulher: Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo.” João 4:39,42 Mas Jesus via o que os discípulos não viam: pessoas receptivas. O relato de João começa com estas palavras: Jesus “deixou a Judeia, retirando-Se outra vez para a Galileia. E era-Lhe necessário atravessar a província de ­Samaria” (Jo 4:3, 4). Para Ele, era “necessário” passar por Samaria porque o Espírito Santo O convenceu de que havia corações receptivos naquele lugar improvável. Quando nossos olhos são ungidos pelo Senhor, vemos possibilidades onde outros veem dificuldades. Vemos uma rica colheita de ­pessoas para o reino de Deus onde outros veem apenas campos improdutivos. Segunda, 24 de agosto - Mudança de atitude “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer.” João 15:13-15 Uma atitude dura, crítica e inamistosa afastará as pessoas de nós, e mesmo que sejamos capazes de testemunhar, nossas palavras, por mais verdadeiras que sejam, muito provavelmente não serão recebidas. Em contraste com isso, uma atitude positiva e uma crença nas pessoas as atraem para nós. Isso cria um vínculo de amizade. A mulher em Mateus 15 era cananeia. Jesus intencionalmente recusou o pedido dela de início para que, à medida que ela persistisse, sua fé crescesse. Ele finalmente concedeu o desejo dela e, em seguida, fez uma declaração surpreendente que um líder religioso da Judeia daquela época jamais faria a uma pobre mulher cananeia. Ele disse publicamente: “Ó mulher, grande é a tua fé!” (Mt 15:28). Já a mulher que ungiu os pés de Jesus com perfume caro era judia – uma mulher de má reputação, que havia falhado muito e pecado com frequência, mas tinha sido perdoada e transformada. Quando outros a criticaram, Jesus a elogiou e aprovou suas ações. Terça, 25 de agosto - Apresentando a verdade com amor “Se nos humilhássemos perante Deus e fôssemos bondosos e corteses, compassivos e piedosos, haveria uma centena de conversões à verdade onde agora há apenas uma” (Testemunhos Para a Igreja, v. 9, p. 189). Somente a amizade não levará pessoas a Cristo, mas certamente atitudes inamistosas podem afastar pessoas do Senhor. Os laços de amizade são construídos quando concordamos com as pessoas o máximo possível, demonstramos aceitação e as elogiamos quando é apropriado. Parece que alguns gostam de buscar o erro nas outras pessoas. Sentem prazer quando encontram algo que alguém deixou de fazer direito e isso faz com que se sintam melhores consigo mesmos. O apóstolo Paulo fazia o contrário. Ele procurava o que era positivo nas igrejas as quais ministrava. Certamente ele reprovava o erro e não tolerava o pecado, mas seu foco era edificar as igrejas que havia estabelecido. Uma das maneiras pelas quais ele fazia isso era destacar o que elas faziam corretamente. Quarta, 26 de agosto - O fundamento da aceitação “Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia. Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.” Efésios 4:31-32 Visto que Cristo perdoou e aceitou cada um de nós, como podemos nos recusar a perdoar e aceitar uns aos outros? Na verdade, precisamente porque Jesus nos recebeu podemos receber uns aos outros, apesar das falhas deles. Porém, uma vez que um relacionamento de aceitação e cuidado tenha sido estabelecido, muitas vezes é necessário confrontar o outro indivíduo amorosamente com as verdades das Escrituras. Deixar de fazer isso é deixar de amar. Como amigos, nos importamos a ponto de compartilhar com as pessoas a quem amamos verdades eternas que transformam a vida. Quinta, 27 de agosto - Equilíbrio entre verdade e amor “Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina.” 2 Timóteo 4:1-2 A verdade sem amor leva a um legalismo asfixiante, que sufoca a vida espiritual. O chamado “amor” sem verdade leva ao sentimentalismo tolerante, sem consistência, deixando o indivíduo à deriva em um mar de incertezas. A verdade apresentada com amor leva a uma experiência cristã genuína que dá direção, propósito e certeza. Também somos chamados a apresentar a verdade com amor, mansidão e humildade. O Senhor nos convida a unir-nos a Ele, compartilhando com atitudes que demonstram aceitação Sua mensagem dos últimos dias ao mundo que morre sem Cristo. Sexta, 28 de agosto - Estudo adicional “Em Cristo existem a ternura do pastor, a afeição do pai e a incomparável graça do compassivo Salvador. Ele apresenta Suas bênçãos da maneira mais fascinante. Não Se contenta apenas em anunciar essas bênçãos; oferece-as da forma mais atrativa, para despertar o desejo de recebê-las. Assim também Seus servos devem apresentar as riquezas da glória da indescritível Dádiva. O maravilhoso amor de Cristo abrandará e subjugará os corações, quando a simples repetição de doutrinas nada conseguiria.” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 826, 827) É lamentável, mas alguns se sentem melhor apontando as falhas de outras pessoas. Como podemos ter certeza de que não caímos nessa mentalidade? Considere este cenário: um amigo acaba de voltar de um funeral e diz: “Estou feliz porque minha tia está no Céu olhando por mim!”. Como você reagiria? Por que esse pode não ser o melhor momento para dar um estudo bíblico sobre esse assunto?  
Fazendo amigos para Deus - Lição 8
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Ministrando como Jesus. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 15 de agosto - Ministrando como Jesus “Unicamente o método de Cristo trará verdadeiro êxito no aproximar-se do povo. O Salvador misturava-Se com os homens como uma Pessoa que lhes desejava o bem. Manifestava simpatia por eles, ministrava-lhes às necessidades e granjeava-lhes a confiança. Ordenava então: ‘Segue-Me’” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 143) Jesus Se importava com as pessoas. Ele estava mais interessado nas preocupações e necessidades delas do que nas Suas. Seu ministério era de amorosa compaixão. Ele atendia às necessidades físicas, mentais e emocionais das pessoas e, assim, o coração delas se abria às verdades que Ele ensinava. Jesus reconhecia que o mundo precisava de uma demonstração do evangelho tanto quanto de sua proclamação. O testemunho de uma vida semelhante à de Cristo, comprometida em servir aos outros, é uma evidência das palavras que falamos e dá credibilidade ao nosso testemunho. Domingo, 16 de agosto - A atitude de Jesus em relação às pessoas “Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte.” Mateus 5:13-14 A religião dos escribas, fariseus e saduceus era “evitar”. Eles pensavam: “Faça tudo o que puder para evitar ser contaminado pelo pecado”. Os ensinamentos de Jesus eram dramaticamente diferentes. Ele veio a este mundo tenebroso para redimi-lo, não para evitá-lo. Ele é a “luz do mundo” (Jo 8:12). A verdadeira riqueza do mundo são cristãos comprometidos, que fazem a diferença em prol do reino de Deus. Seus atos amorosos de serviço altruísta preservam a bondade do mundo e dão sabor à sua atmosfera. A luz não evita as trevas nem se separa delas. Ela brilha na ­escuridão e a penetra, tornando-a luz. Os seguidores de Jesus devem entrar nas trevas deste mundo em seus bairros, aldeias, vilas e cidades para iluminá-los com a glória de Deus. Segunda, 17 de agosto - Como Jesus tratava as pessoas “Portai-vos com sabedoria para com os que são de fora; aproveitai as oportunidades. A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um.” Colossences 4:5-6 O objetivo de Jesus era extrair o melhor das pessoas. Mesmo quando as circunstâncias eram excepcionalmente desafiadoras, Ele respondia com a graça salvadora. Jesus tinha a capacidade de realçar o melhor das pessoas. Poucas coisas são tão eficazes quanto um elogio para abrir o coração ao evangelho. Busque o que há de bom nas pessoas ao seu redor e permita que elas saibam que você as aprecia. As palavras proféticas de Isaías revelam que Jesus não esmagaria o “caniço rachado” nem apagaria “o pavio fumegante” (NVI). Ou seja, Jesus era tão compassivo que ­cuidava para não ferir desnecessariamente alguém que estava apenas chegando à fé nem apagar a menor brasa de fé no coração das pessoas. Terça, 18 de agosto - O ministério de cura de Jesus: parte 1 “Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados – disse, então, ao paralítico: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa. E, levantando-se, partiu para sua casa.” Mateus 9:6-7 Jesus ministrava às necessidades perceptíveis das pessoas, para que pudesse, por fim, atender às suas necessidades mais profundas. Contudo, a maior carência do ser humano é a de um relacionamento pessoal com Deus e a percepção de que sua vida tem uma importância eterna. A reconciliação com o Criador neste mundo destruído é nossa necessidade suprema. O ministério de cura de Cristo incluía muito mais que a cura física e emocional. Ele ansiava que as pessoas voltassem a experimentar a plenitude que havia sido destruída pelo pecado. Para Cristo, a cura física sem a cura espiritual era incompleta. Quarta, 19 de agosto - O ministério de cura de Jesus: parte 2 “Percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo.” Mateus 4:23 Jesus reuniu três aspectos do ministério, isto é, o ensino, a pregação e a cura. Ele compartilhou princípios eternos para que todos pudéssemos viver com significado e propósito. Ele disse: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10:10). Cristo não era apenas um milagreiro espetacular. Ele era o divino Filho de Deus, que veio com uma missão redentiva. Ele não estava contente apenas em curar doenças físicas, mas desejava que as pessoas recebessem o dom da vida eterna que Ele tinha a oferecer. Jesus declarou o propósito de Sua vinda à Terra com estas palavras: “O Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). Quinta, 20 de agosto - O que importa para Jesus “Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E quando te vimos forasteiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar? O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” Mateus 25:27-40 Embora a parábola fale de atender às necessidades físicas reais das pessoas, há um aspecto da história que não devemos negligenciar. Há uma fome e sede de Jesus, ocultas no coração do ser humano, que precisam ser satisfeitas (Jo 6:35; 4:13, 14). Viver de maneira egocêntrica e negligenciar as necessidades físicas, mentais, emocionais e espirituais dos outros é correr o risco da perda eterna. Na parábola, os que dedicam a vida a algo mais do que a si mesmos são elogiados por seu Senhor e recebidos na eternidade, enquanto os que, de maneira egoísta, seguem seus próprios planos e negligenciam as necessidades dos outros são condenados pelo Senhor. Sexta, 21 de agosto - Estudo adicional “E percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades. Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor. E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.” Mateus 9:35 O ministério altruísta de Jesus abre corações, quebra preconceitos e cria receptividade ao evangelho. A igreja é o corpo de Cristo, que atende às necessidades com amor em todos os lugares. Cristo nos envia à nossa comunidade para fazer a diferença em Seu nome. Embora devamos ter cuidado com a contaminação do mundo (e isso é uma ameaça muito perigosa para nossa igreja), ainda precisamos alcançar os outros onde eles estão e ser usados por Deus, que deseja levá-los a uma vida melhor.  
Fazendo amigos para Deus - Lição 7
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Compartilhando a Palavra. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 08 de agosto - Compartilhando a Palavra "Porque, assim como descem a chuva e a neve dos céus e para lá não tornam, sem que primeiro reguem a terra, e a fecundem, e a façam brotar, para dar semente ao semeador e pão ao que come, assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei." Isaías 55:10-11 Embora a natureza revele a majestade e o poder de Deus, ela não desvenda o plano da salvação. Jesus, mediante a Pessoa do Espírito Santo, é “a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem” (Jo 1:9). A Palavra escrita de Deus é a revelação mais clara e completa de Jesus, a Palavra Viva. Corretamente compreendido, todo ensinamento da Bíblia reflete a beleza do caráter de Jesus. Quando compartilhamos a Palavra de Deus, nosso principal objetivo não é provar que estamos certos e que os outros estão errados, mas revelar Jesus em cada aspecto da verdade que compartilhamos. Domingo, 09 de agosto - Símbolos da Palavra de Deus "Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos." Salmos 119:105 Jesus, “a luz do mundo”, rompe as trevas da visão equivocada sobre quem é Deus e a natureza de Seu caráter. Segundo Jeremias, a Palavra de Deus é como fogo e martelo. Ela consome a escória do pecado em nossa vida e quebranta nosso coração endurecido. A Palavra de Deus também é comparada à semente. A principal característica da semente é que ela dá vida. Jesus comparou Sua Palavra ao pão nutritivo. Como muitos de nós sabemos, poucas coisas nos satisfazem tanto quanto um bom pedaço de pão. A Palavra de Deus satisfaz a fome do coração e nutre nossos anseios espirituais interiores. Segunda, 10 de agosto - O poder criador da Palavra de Deus "Os céus por sua palavra se fizeram, e, pelo sopro de sua boca, o exército deles. Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo passou a existir." Salmos 33:6,9 A Palavra de Deus é viva. Ela tem o poder de realizar as coisas que ela declara. As palavras humanas podem falar do que existe, mas Deus fala de coisas que ainda não foram feitas e, em seguida, as cria pelo poder de Sua palavra. A Palavra de Deus é criadora. A Palavra audível que procede de Sua boca tem o poder de criar tudo o que proclama. O mesmo poder que está na Palavra falada de Deus está em Sua palavra escrita. O mesmo Espírito Santo que atuou na criação também atuou na inspiração das Escrituras. Ao entendermos as maravilhosas promessas encontradas na Palavra de Deus, nossa vida é transformada e, à medida que ajudamos outras pessoas a compreendê-las, o Espírito Santo também transforma a vida delas. Terça, 11 de agosto - Os benefícios de estudar a Palavra de Deus "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra." 2 Timóteo 3:16-17 A Bíblia tem um propósito redentivo. Ao vermos Jesus em todas as Escrituras, somos transformados. Ao contemplá-Lo em Sua Palavra, tornamo-nos como Ele (2Co 3:18). De acordo com Paulo, a Bíblia é “útil para o ensino”. Ela revela a verdade e expõe os erros. Ela descreve o plano de Deus para a humanidade, reprova nossos pecados, corrige nossos pensamentos errôneos e nos instrui na justiça. As Escrituras revelam a justiça de Cristo. Elas nos levam da insensatez de nossa pecaminosidade à beleza de Sua justiça. Quando a Bíblia abençoa nossa vida, temos a credibilidade para dizer aos outros de que modo ela também pode abençoar a vida deles. Quarta, 12 de agosto - Aplicando a Palavra de Deus "Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!" Efésios 3:20-21 Já foram contadas mais de três mil promessas na Palavra de Deus. Ao reivindicarmos essas promessas pela fé e ensinarmos outras pessoas a reivindicá-las, as bênçãos do Céu fluem em nossa vida. Mediante Sua morte na cruz e Sua vitória sobre Satanás e os principados e poderes do inferno, Jesus providenciou tudo que é necessário para vivermos de maneira espiritual e piedosa. Ele também promete suprir nossas necessidades físicas básicas. Quando, pela fé, reivindicamos as promessas e acreditamos nelas porque Cristo prometeu, as bênçãos dessas promessas se tornam nossas. A falta de fé na capacidade divina de fazer o que Ele prometeu em Sua Palavra limita o cumprimento das promessas em nossa vida. Quinta, 13 de agosto - Compartilhando a Palavra "Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina." 2 Timóteo 4:1-2 É maravilhoso compartilhar nossa alegria, mas a melhor notícia em todo o Universo é a história de Jesus. Quando descobrimos novas ideias em Sua Palavra sobre a salvação em Cristo, nosso coração transborda de alegria e desejamos contar aos outros. O apóstolo Paulo nunca se cansou de contar sua história de conversão. Seu coração transbordava de alegria em Jesus. Para ele, boas notícias deviam ser compartilhadas, e ele não podia ficar calado. Em todo o nosso testemunho, devemos ter em mente três princípios bíblicos: o que dizemos, como dizemos e quando dizemos. Sexta, 14 de agosto - Estudo adicional "Ao meditarmos nas perfeições do Salvador, havemos de desejar ser transformados por completo, e renovados na imagem de Sua pureza. A alma terá fome e sede de tornar-se semelhante Àquele a quem adoramos. Quanto mais nossos pensamentos se demorarem em Cristo, tanto mais falaremos dEle aos outros e O representaremos perante o mundo." (EGW, CC - Pag. 89) Deus está trabalhando no coração das pessoas. Se tivermos discernimento espiritual para ver onde Ele já está trabalhando, observaremos regularmente oportunidades de compartilhar Sua Palavra. Enquanto o Senhor prepara o solo do coração, temos a chance de semear a semente do evangelho. Podemos ter uma hesitação natural em perguntar às pessoas se podemos orar com elas, compartilhar uma promessa da Bíblia ou oferecer-lhes uma literatura. Quando nos sentimos impressionados em compartilhar a fé, é porque o Espírito Santo que nos impressionou também impressionou as pessoas a receber nosso testemunho.  
Fazendo amigos para Deus - Lição 6
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Possibilidades ilimitadas. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 01 de agosto - Possibilidades ilimitadas "Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente." 1 Coríntios 12:11 Quando nos consagramos a Deus e dedicamos nossa vida ao Seu serviço, nossas possibilidades de servir são infinitas. “Não pode haver limite à utilidade de uma pessoa que, pondo de parte o próprio eu, oferece margem à atuação do Espírito Santo em seu coração e vive uma vida inteiramente consagrada a Deus” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 159). Domingo, 02 de agosto - Diferentes nos dons, unidos no serviço "Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo. Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito." 1 Coríntios 12:12-13 O corpo de Cristo não é um grupo homogêneo. Não é um clube de campo com pessoas da mesma origem e mesmo pensamento. É um movimento dinâmico de pessoas com diferentes dons, unidas no amor a Cristo e às Escrituras e comprometidas em compartilhar Seu amor e verdade com o mundo (Rm 12:4; 1Co 12:12). Os membros do corpo de Cristo têm dons diferentes, mas cada um é valioso; cada um é decisivo para o funcionamento saudável do corpo de Cristo. Segunda, 03 de agosto - Deus: o Doador de todos os dons "Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança." Tiago 1:17 Deus tem uma tarefa especial para cada um na obra de compartilhar o evangelho. Na parábola do proprietário que deixa a casa aos cuidados de seus servos, ele lhes dá o trabalho designado (Mc 13:34). Há uma tarefa para cada um, e Deus concede dons espirituais a todos, para que realizem a tarefa ou ministério a que são chamados. Quando entregamos a vida a Cristo e, por meio do batismo, tornamo-nos membros de Seu corpo (a igreja), o Espírito concede dons para que sirvamos ao corpo e testemunhemos ao mundo. Terça, 04 de agosto - O propósito dos dons espirituais "E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo." Efésios 4:11-13 Os dons espirituais servem a vários propósitos. Deus os concede para nutrir e fortalecer Sua igreja a fim de cumprir Seu ministério. Eles foram designados para desenvolver uma igreja unificada, pronta para cumprir Sua missão no mundo. Todos os talentos naturais são dados por Deus, mas nem todos são usados no serviço de Cristo. Quais são seus talentos naturais que, por mais úteis e benéficos que sejam em um ambiente secular, também podem ser uma bênção para a igreja? Quarta, 05 de agosto - Descobrindo os dons "Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á." Mateus 7:7-8 Recebemos os dons do Espírito ao nos consagrarmos a Deus e pedirmos que Ele nos revele os dons que nos deu. Quando nosso coração é esvaziado de glória pessoal e nossa prioridade é servir a Jesus, Seu Espírito nos impressiona com os dons espirituais que Ele tem para nós. Os dons espirituais não vêm completamente desenvolvidos. Quando o Espírito Santo o impressionar com alguma área de serviço, ore para que Ele o guie a um ministério específico para exercitar seu dom por meio de uma atividade de evangelismo. Quinta, 06 de agosto - Desenvolvendo os dons "Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem dez. Porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado." Mateus 25:28-29 A parábola tem um ponto crucial: os talentos que eles receberam não eram deles. Pertenciam a outra pessoa que lhes tinha dado a incumbência de administrá-los. Deus elogiou os dois primeiros servos porque eles foram fiéis no uso de seus talentos. Os talentos deles se desenvolveram com o uso. O servo “mau” não usou os recursos que o mestre lhe havia concedido, e eles não se desenvolveram. É uma verdade eterna que “a lei de servir torna-se o vínculo que nos liga a Deus e ao nosso semelhante” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 326). O servo infiel desperdiçou sua oportunidade de servir e acabou perdendo a capacidade de servir. Sexta, 07 de agosto - Estudo adicional “A todos é dada uma obra a fazer pelo Mestre. A cada um de Seus servos são concedidos dons especiais ou talentos. ‘A um deu cinco talentos, e a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua capacidade’ (Mt 25:15). Cada servo tem algum legado pelo qual é responsável, e os vários legados são proporcionais às nossas várias habilidades. Distribuindo Seus dons, Deus não agiu com parcialidade. Ele distribuiu os talentos de acordo com as aptidões conhecidas de Seus servos e espera retorno correspondente” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 282). Cada um de nós recebeu dons de Deus. Quais implicações práticas isso tem para sua igreja? Que diferença isso faz no envolvimento de cada membro no serviço? Como os dons de outros membros o abençoaram? De que modo você descobriu seus dons espirituais? Quais são eles e como você os usa para abençoar os outros? A lição destacou que nossos dons crescem à medida que os usamos. Reflita sobre sua vida. Quais dons se expandiram quando você os usou para a glória do nome de Deus? Você é fiel ao que Deus lhe concedeu?
Fazendo amigos para Deus - Lição 5
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Capacitação do Espírito para testemunhar. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 25 de julho - Capacitação do Espírito para testemunhar “Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus.” Atos 4:31 (ARA) O Espírito Santo os habilitaria a compartilhar a mensagem da cruz com um poder que transformaria pessoas e mudaria o mundo. Ele tornou eficaz o testemunho daqueles homens. Em poucas décadas, o evangelho impactou o mundo todo. O livro de Atos declara que aqueles primeiros cristãos alvoroçaram o mundo (At 17:6, ARC). Domingo, 26 de julho - Jesus e a promessa do Espírito Santo “Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim; e vós também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio.” João 15:26-27 (ARA) O Espírito Santo está ao nosso lado para nos guiar às pessoas que buscam com sinceridade a salvação. Ele prepara o coração delas antes mesmo de nós as encontrarmos. Ele guia nossas palavras, traz convicção à mente dos pecadores que buscam o perdão e os fortalece para corresponder à Sua influência. O Espírito Santo testifica ou testemunha de Jesus. Seu objetivo final é levar a Jesus o maior número possível de pessoas. Sua missão é glorificar a Cristo. Nessa função, Ele convence os cristãos de sua responsabilidade de testemunhar. Ele abre nossos olhos para que vejamos as possibilidades nas pessoas e atua nos bastidores para criar receptividade à mensagem do evangelho. Segunda, 27 de julho - Uma igreja capacitada “Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça.” Atos 4:32-33 (ARA) O livro de Atos é a história de cristãos consagrados, cheios do Espírito Santo, impactando o mundo em favor de Cristo. Eles foram completamente dependentes do Espírito Santo para alcançar resultados miraculosos. Quer fosse uma única pessoa como Lídia, o carcereiro de Filipos, uma escrava possuída por demônios ou o eunuco etíope, Lucas percebeu e registrou a atuação do Espírito Santo no coração das pessoas. O ponto importante aqui é que, por trás dos grandes números, havia indivíduos; cada um era um filho de Deus por quem Jesus Cristo havia morrido. Certamente, gostamos de grandes números, mas, no fim, testemunhar é geralmente um esforço individual, de coração a coração. Terça, 28 de julho - O Espírito Santo e o testemunho “Quando, porém, comecei a falar, caiu o Espírito Santo sobre eles, como também sobre nós, no princípio. Então, me lembrei da palavra do Senhor, quando disse: João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo.” Atos 11:15-16 (ARA) O diversificado ministério do Espírito Santo no primeiro século foi realmente maravilhoso. As experiências mencionadas são apenas uma amostra de Sua atuação. Ele fortaleceu Estevão para que testemunhasse de Seu Senhor diante de uma multidão implacável e descontrolada que o apedrejou até a morte. Ele guiou Filipe miraculosamente a um etíope influente, que buscava a verdade, a fim de abrir o continente africano para o evangelho. Ele deu a Pedro um sinal de confirmação quando os cristãos gentios também receberam o dom do Espírito Santo. Ele uniu a igreja numa época em que ela poderia facilmente ter se dividido acerca da questão da circuncisão e, por meio do apóstolo Paulo, abriu todo o continente europeu à pregação do evangelho. Quarta, 29 de julho - O Espírito Santo, a Palavra e o testemunho “Porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.” 2 Pedro 1:21 (ARA) Os discípulos proclamaram a Palavra de Deus, não a palavra deles. A Palavra inspirada era o fundamento de sua autoridade. A Bíblia tem poder para transformar porque o mesmo Espírito que a inspirou muda nossa vida quando a lemos. Quando compartilhamos a Palavra, o Espírito atua para transformar vidas mediante a Palavra que Ele inspirou. O Senhor prometeu abençoar Sua Palavra, não as nossas palavras. O poder está na Bíblia, não na especulação humana. Quinta, 30 de julho - O poder transformador do Espírito Santo “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” Atos 1:8 (ARA) O Espírito Santo encontra pessoas onde elas estão, mas Ele não as deixa ali. Em Sua presença, elas são transformadas. Esses relatos de casos revelam que, ao testemunharmos de Cristo e compartilharmos Sua Palavra, o Espírito Santo fará coisas notáveis na vida das pessoas, de qualquer origem, cultura, educação e crença. Não podemos nem devemos fazer suposições sobre quem pode ou não ser alcançado. Nossa obra é testemunhar a todos os que entrarem em nosso caminho. O Senhor fará o restante. Sexta, 31 de julho - Estudo adicional "Espírito, vivificará a consciência e transformará a vida. Uma pessoa pode ser capaz de apresentar a letra da Palavra de Deus, pode estar familiarizada com todos os seus mandamentos e promessas; mas a menos que o Espírito Santo impressione o coração com a verdade, alma alguma cairá sobre a Rocha e se despedaçará. A mais esmerada educação, as maiores vantagens, não podem tornar uma pessoa um veículo de luz sem a cooperação do Espírito de Deus." (DTN, p.672) Ao testemunharmos por Jesus, é crucial lembrar que estamos cooperando com o Espírito Santo. Ele vai antes de nós, preparando corações para receber a mensagem do evangelho. Ele está conosco, influenciando as mentes enquanto realizamos atos de bondade, compartilhamos nosso tes-temunho, conduzimos estudos bíblicos, doamos livros repletos de verdades ou participamos de projetos de evangelismo. Ele continuará trabalhando no coração das pessoas muito tempo depois de partirmos, fazendo o que for necessário para levá-las ao conhecimento da salvação.
Fazendo amigos para Deus - Lição 3
Olá queridos amigos e irmãos em Cristo. Paz seja com todos. Logo abaixo você encontra todo o conteúdo que iremos debater na live desse sábado, em nossa Escola Sabatina Online. Tema da semana: Olhando as pessoas pelos olhos de Jesus. O resumo dessa lição possui textos bíblicos, espírito de profecia e a Infolição. Para ver a Infolição maior, basta clicar nela. Desfrutem desse conteúdo, e que Deus os abençoem! Sábado, 11 de julho - Olhando as pessoas pelos olhos de Jesus "E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens." Mateus 4:19 Jesus via todos os homens e mulheres como pessoas que podiam ser conquistadas para Seu reino. Ele enxergava cada um pelos olhos da compaixão divina. Fossem eles judeus ou gentios, homens ou mulheres, um ladrão na cruz, um centurião ou um louco possuído por demônios, Jesus via o potencial dado por Deus a essas pessoas e as enxergava pelos olhos da salvação. Domingo, 12 de julho - O segundo toque "Então, chegaram a Betsaida; e lhe trouxeram um cego, rogando-lhe que o tocasse. Jesus, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia e, aplicando-lhe saliva aos olhos e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe: Vês alguma coisa? Este, recobrando a vista, respondeu: Vejo os homens, porque como árvores os vejo, andando. Então, novamente lhe pôs as mãos nos olhos, e ele, passando a ver claramente, ficou restabelecido; e tudo distinguia de modo perfeito." Marcos 8:22-25 Os amigos daquele homem apelaram humildemente a Jesus, acreditando que Ele tinha tanto o desejo quanto o poder para ajudá-lo. Pode ser que o homem não acreditasse que Jesus poderia curá-lo, mas seus amigos criam no poder do Senhor. Por vezes, devemos levar outros a Jesus nas asas da nossa fé. Segunda, 13 de julho - Uma lição de aceitação "Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas. Disse-lhe Jesus: Eu o sou, eu que falo contigo." João 4:23-26 Considerando essas diferenças teológicas com os samaritanos, os discípulos devem ter ficado perplexos quando Jesus escolheu a rota samaritana para a Galileia. Eles ficaram surpresos de que Cristo não Se deixou levar por um debate religioso. Ele apelou diretamente ao desejo da mulher samaritana por aceitação, amor e perdão. Terça, 14 de julho - Comece onde você está "Era André, o irmão de Simão Pedro, um dos dois que tinham ouvido o testemunho de João e seguido Jesus. Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo), e o levou a Jesus. Olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, o filho de João; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro)." João 1:40-42 A arte de efetivamente ganhar pessoas é a arte de desenvolver relacionamentos positivos e amorosos. Pense nas pessoas mais próximas a você que podem não conhecer Jesus. Elas veem em você alguém compassivo e atencioso? Elas veem em você uma paz e um propósito pelo qual anseiam? Sua vida é uma propaganda em favor do evangelho? Fazemos amigos para Deus ao compartilharmos Jesus. Quarta, 15 de julho - Lidar com pessoas difíceis "Ninguém caiu tão fundo, ninguém é tão vil, que não possa encontrar libertação em Cristo. O endemoninhado, em lugar de uma oração, só pôde proferir as palavras de Satanás; todavia, foi ouvido o mudo apelo do coração. Nenhum grito de uma alma em necessidade, embora deixe de ser expresso em palavras, ficará desatendido." (EGW, DTN - Pag. 259) Peça ao Senhor que torne você sensível ao ministério do Espírito Santo na vida de outras pessoas. Ore pedindo que Deus lhe dê o segundo toque e abra seus olhos para as oportunidades espirituais que Ele coloca em seu caminho a fim de compartilhar sua fé. Busque ao Senhor para que Ele lhe dê olhos que vejam, coração sensível e disposição de compartilhar o Cristo que está em seu coração, e você estará em uma emocionante jornada. Quinta, 16 de julho - Percebendo oportunidades providenciais "Seguindo eles caminho fora, chegando a certo lugar onde havia água, disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que seja eu batizado? [Filipe respondeu: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.] Então, mandou parar o carro, ambos desceram à água, e Filipe batizou o eunuco." Atos 8:36-38 “Um anjo guiou Filipe àquele que procurava a luz e que estava pronto para receber o evangelho; e hoje anjos guiarão os passos dos obreiros que permitirem ao Espírito Santo santificar sua língua e educar e enobrecer seu coração. O anjo enviado a Filipe poderia ter ele mesmo feito a obra pelo etíope, mas essa não é a maneira de Deus agir. Seu plano é que homens e mulheres trabalhem por seus semelhantes” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 109). Sexta, 17 de julho - Estudo adicional "Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor. E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara." Mateus 9:36-38 Por que não fazer esta oração? “Senhor, estou disposto a ser usado para o avanço do Seu reino. Abra meus olhos para que eu veja as oportunidades providenciais que Tu colocas diante de mim todos os dias. Ensina-me a ser sensível às pessoas ao meu redor. Ajuda-me a falar palavras de esperança e encorajamento e a compartilhar Seu amor e Sua verdade com aqueles com quem entro em contato todos os dias”. Se você fizer essa oração, Deus fará coisas extraordinárias em sua vida.
B.I.S. Online
Um canal de comunicação da IASD Ipiranga Ribeirão
Nenhum distrito logado no momento.
Clique aqui para acessar o material de apoio e as dúvidas mais frequentes.